quarta-feira, 27 de abril de 2011

SERGIPE DEBATEU O HOMOFOBISMO

Aconteceu na noite de ontem 26/04/2011, no auditório da Sociedade Semear, o Debate Homofobia, em busca de soluções, promovida pela Secretaria de Estado dos Direitos Humanos e da Cidadania (Sedhuc) nesta terça-feira,.com as presenças do antropólogo Luiz Mott, do professor da Universidade Federal de Sergipe Marcelo Domingos e do Delegado de Polícia Civil Dr. Mário Leoni.

Luiz Mott - GGB
Segundo Luiz Mott, fundador do Grupo Gay da Bahia (GGB) uma das organizações não-governamentais mais importantes na luta pelos direitos dos Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transgêneros (GLBTT) no país. Sergipe, Bahia e Alagoas são os estados nordestinos que registram o maior número de mortes entre, Ele esteve em Aracaju para a mesa de discussão ‘Homofobia em debate: em busca de soluções’, Mott disse, em entrevista no início da tarde, que o Nordeste “tem que aprender a conviver com a diferença e com o respeito”. E emendou que a luta dos homossexuais é por direitos iguais, “nem menos e nem mais”. “Estamos vivendo aqui um ‘Triângulo das Bermudas’, pois os estados mais violentos para homossexuais são Alagoas, Sergipe e Bahia. Em Alagoas a situação é ainda mais preocupante porque está na quarta posição, atrás de São Paulo, Rio de Janeiro e Bahia”, descreveu o antropólogo.
De acordo com dados do Relatório Anual sobre Assassinatos de Homossexuais no Brasil, produzido por Mott, o Brasil ainda registra os maiores índices de assassinatos no mundo. Em 2010 foram 260 mortes (140 gays, 10 lésbicas e 10 travestis). Sergipe registrou nove casos.

“O risco de uma travesti ser assassinada no Brasil é 800 vezes maior que nos Estados Unidos, que tem uma população de 300 milhões de habitantes enquanto temos cerca de 200 milhões”, disse Luiz Mott. O número de casos registrados no Estado é preocupante se comparado com lugares cuja população é superior, como o Rio Grande do Sul. “Embora pareça pequeno, o número de ‘homicídios’ lança um grande alerta”, completou.

FALHAS


Prof. Marcelo Domi
O professor de Antropologia da UFS, Marcelo Domungos, que pesquisa sobre os assassinatos em Sergipe desde 1994, disse que os dados coletados apontam “falhas fortes” do Instituto Médico Legal (IML) e da Perícia Técnica da Polícia. “A imperícia da Polícia muitas vezes emperra as investigações dos casos de violência. Temos vários casos que denotam falhas. Além disso os processos demoram muito a ser julgados na Justiça, fazendo com que o caso seja esquecido”, lamentou. 
Por outro lado, ele disse que um evento como o desta terça-feira é histórico porque o Estado colocou na sua agenda a discussão sobre a violência contra os homossexuais. “É uma forma de reconhecer que a situação é crítica”, comentou Domingos.

O secretário Iran Barbosa assevera a declaração do professor Marcelo explicando que debater o tema sob a perspectiva dos relatórios aponta para a necessidade de atuação dos agentes públicos e para a análise da realidade, que, nas palavras dele, é cruel. “Precisamos definir políticas públicas para o enfrentamento dessa violência. Queremos que Sergipe adote políticas que vão além. O Estado pode ser referência não só no combate à homofobia, mas em toda e qualquer discriminação”, ponderou.

SEGURANÇA PÚBLICA
Dr. Mário Leoni - Delegado de Polícia Civil
O delegado titular da 4ª Divisão de Homicídios do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) Mário Leony disse, por outro lado, que o número de casos registrados em Sergipe não indicam necessariamente que o Estado é mais violento, mas reconheceu que eles são apenas uma ‘ponta do iceberg’. “Existem estados em que o descaso é grande e muitas vezes os crimes nem são notificados. Hoje temos, por exemplo, o Centro de Referência e Combate à Homofobia, o Departamento de Atendimento a Grupos Vulneráveis (DAGV), que mostra estarmos mais atentos à questão”, explicou.

Leony acredita que é necessário que a Polícia esteja mais perto da comunidade LGBTT e saber o que leva alguns a não denunciarem a violência que sofre. “Além disso, é necessário também propor uma gestão mais democrática na segurança pública”, enfatizou.

SE MAMOÉ NÃO VAI A MONTANHA...
Infelizmente, não fomos. Muitos alunos e professores ficaram decepcionados por não terem ido ao debate na noite de ontem. A secretaria Municipal de Educação informou que não era possível a liberação do ônibus por ter sido solicitado muito em cima da hora (ou seja, a 15 dias antes apenas e por não ter sido contemplado com um Projeto). Mas, como diz o ditado: ... se Maomé não vai a montanha, a montanha virá a Maomé, pois em conversa com o Delegado de Polícia Civil Dr. Mário Leoni, o professor articulador Diógenes Almeida, está tentando junto com outros órgãos do Governo Estadual (eu disse: ESTADUAL) e com a Universidade Federal de Sergipe, trazer esse debate para a nossa Escola. “Será a primeira vez que uma escola municipal desse porte promoverá um debate dentro de nossas dependências com pessoas tão renomadas.”.  Enfatizou o professor.
ENTREVISTA LUIZ MOTT PORTAL INFONET.
O antropólogo e fundador do Grupo Gay da Bahia, Luiz Mott, esteve em Aracaju para participar de um debate em torno de um dos mais debatidos, e por isto mais polêmico, assuntos no tocante aos homossexuais: os crescentes casos de homofobia. Mott apresentou dados do Relatório Anual sobre Assassinatos de Homossexuais no Brasil, que aponta 260 casos de assassinatos em todo o país (140 de gays, 10 de lésbicas e 10 de travestis). Sergipe, como nove casos, está em 9º lugar sendo que ocupa a 22º posição em número de habitantes.
Em entrevista ao Portal Infonet o ativista comenta os dados do relatório que é apresentado anualmente e fala sobre o polêmico Projeto de Lei 122 (PL 122) que se aprovado tornará crime a discriminação aos homossexuais.

Portal Infonet  - O Relatório Anual sobre Assassinatos de Homossexuais no Brasil, produzido pelo Grupo Gay da Bahia (GGB), fundado por você, aponta que ser homossexual no Brasil ainda é algo intolerável. Quão preocupantes são esses dados. Há algum avanço?

Luiz Mott
- O Brasil registra o maior número de assassinatos no mundo. Imagine que, em 2010, nos EUA, foram assassinadas 14 travestis; no Brasil, 110. O risco de uma travesti ser assassinada no Brasil é 800 vezes maior que nos Estados Unidos, sendo que lá há 300 milhões de habitantes e aqui temos cerca de 200 milhões. Essa minha estada aqui e um apelo que faço para as secretarias de educação, como já fiz para o próprio ministério da cultura e para o da educação, que agilizem a implantação de uma política de educação sexual, distribuindo o kit contra a homofobia - que não vai fazer propaganda, não vai fazer proselitismo da homossexualidade, vai fazer é propaganda de direitos humanos para que os estudantes gays, lésbicas e travestis não sejam vítimas dessa perseguição que acontece nas escolas, sobretudo contra os homossexuais. É um apelo para a Polícia e delegados para que investiguem cuidadosamente os crimes contra homossexuais para que a impunidade não leve a novas ocorrências; à Justiça, que seja célere e severa em julgar e sentenciar os autores de crimes contra homossexuais.

Exposição Homofobia
Mott trouxe uma exposição de cartazes de camapanhas contra homofobia
Infonet - De que forma, então, o homossexual pode contornar essa situação em tais circunstâncias?
LM –
O que fazemos é um apelo à comunidade de gays, travestis e lésbicas para que se acautelem mais: tenham mais cuidado, não leve pessoas desconhecidas para casa, selecione mais os seus parceiros e, querendo ou não, em uma sociedade como a que vivemos hoje em dia, todos têm que tomar cuidado, sobretudo quem é mais vulnerável. E o homossexual, o gay, a travesti e a lésbica são pessoas muito vulneráveis porque são discriminadas dentro de casa. Enquanto o negro, o deficiente e o judeu aprendem em casa a enfrentar o preconceito, os gays não. Os pais discriminam, espancam, expulsam de casa.
 

Infonet - Ainda segundo os dados do relatório, Sergipe registrou nove casos de assassinatos contra homossexuais. Quão preocupante essa estatística é?

LM -
Na verdade o número embora pareça pequeno, com nove homicídios contra homossexuais - ou ‘homocídios’, como eu digo - temos que lembrar que cidades e capitais com maiores populações tiveram menos assassinatos. Por exemplo, o Amazonas, o Ceará, o Rio Grande do Sul, que tem cinco vezes mais a população de Sergipe, teve menos que nove assassinatos. De modo que nós estamos vivendo, aqui, em um ‘Triângulo das Bermudas’. Os estados mais violentos contra os homossexuais têm sido a Bahia, Sergipe e Alagoas. Em Alagoas a situação é ainda mais preocupante porque depois da Bahia, do Rio de Janeiro e de São Paulo, foi o mais violento. Sendo que o estado tem uma população de cerca de 3 milhões de habitantes. O Nordeste tem que aprender a conviver com a diferença, com o respeito. O que nós queremos não é privilégio, queremos direitos iguais, nem menos e nem mais.

Infonet – Os crimes contra homossexuais têm alguma característica específica?

LM -
Os crimes contra homossexuais, também chamados crimes homofóbicos, entram na categoria jurídica de crime de ódio. São motivados por alguma condição específica da vítima ou sua origem racial, étnica ou a sua orientação sexual e eles são geralmente cometidos com requintes de crueldade: muitos golpes, muitas facadas, muitos tiros, tortura, e, no caso dos homossexuais, castração e empalação, ou seja, colocam algum objeto dentro ânus para realmente humilhar, desonrar aquele indivíduo que em vida ostentava um estilo de vida que o assassino considerava ou discaração, ou crime ou pecado.

Infelizmente no Brasil ainda não há estatísticas oficiais sobre crimes de ódio. Não se sabe, como nos Estados Unidos e na Europa, quantos indivíduos foram agredidos ou assassinados devido à sua condição por religião ou orientação sexual, etnia, raça etc. É fundamental que o estado, através de suas delegacias municipais, estaduais e federais registrem cada ocorrência policial a orientação sexual do indivíduo para que a punição seja de acordo com a gravidade do crime. Porque se foi um crime de ódio, de raça, sexo ou religião, tem que ter um agravante.
Infonet – O assunto ‘homofobia’ ainda é muito polêmico. O episódio em que se envolveu o deputado pelo Rio de Janeiro Jair Bolsonaro (durante entrevista a um programa de TV ele fez declarações ofensivas a negros e gays, fato que gerou grande repercussão na internet) mostram que o tema ainda é tabu? Ou esse foi um caso isolado?
LM -
Na verdade o deputado Jair Bolsonaro representa um caso extremo, mas há muitos ‘Bolsonaros’ pelo Brasil afora que também têm ódio, querem espancar, querem discriminar, querem matar o homossexual. Nós queremos que o Bolsonaro seja severamente punido de acordo com o Código de Ética da Câmara dos Deputados e que sirva de exemplo para que a impunidade não provoque novos ‘Bolsonaros anti-homossexuais’.

Infonet – O Projeto de Lei 122 que tem por objetivo tornar crime a homofobia, uma das maiores pautas de reivindicação do movimento gay no Brasil ainda não foi votado. Seria o caso de haver uma maior pressão por parte dos maiores interessados nele?

LM -
Apesar dos gays, lésbicas e travestis representarem 10% da população brasileira, aproximadamente 20 milhões de pessoas, a grande maioria ainda vive presa dentro do ‘armário’ e ainda não teve a consciência e coragem de se assumir publicamente na família, na escola, no trabalho, na vizinhança... A pressão do movimento homossexual tem sido constante, mas ainda é insuficiente. É necessário que nossos amigos aliados, tais como os heterossexuais, os pais de gays, os amigos de homossexuais, os deputados, os professores universitários, se manifestem apoiando o que não é um privilégio, apenas o reconhecimento de que gay também é ser humano, que deve ter a mesma proteção dos demais cidadãos.

Infonet – Mas existe um certo mito de que o projeto criaria uma certa ‘redoma de vidro’ para os gays...

LM -
O PL 122, que equipara a homofobia ao racismo, não faz nada mais nada menos que considerar que homossexual é ser humano igual ao negro, ao índio e as demais minorias étnicas. Nós não queremos privilégio. Nos só queremos que, se alguém na rua chama um gay por ‘seu veado discarado’ ou se chama ‘seu negro discarado’ o crime seja igual, que tenha a mesma punição. Nós pagamos impostos, cumprimos os mesmos deveres de cidadania, mas somos tratados como indivíduos de terceira categoria.

Ninguém escolhe ser homossexual. Até agora não existe nenhuma teoria que explique definitivamente a origem da homossexualidade, de modo que as pessoas, os meninos, as meninas, a partir dos seis anos já se descobrem diferentes, na adolescência afirmam e confirmam a sua orientação sexual e felizmente a televisão, os jornais, a mídia não discriminam tanto quanto antigamente. Já não há insultos na imprensa, se algum órgão faz algo do tipo ele é punido, mas não é fácil. O que é fundamental é que a família acolha bem seus filhos, seus parentes homossexuais. A cada quatro famílias uma tem algum ente homossexual e também de cada quatro homossexuais um, em alguma vez na vida, tentou suicídio, porque a discriminação é muito forte.
Por Diógenes de Souza

Campanha Diga não a Homofobia

2ª etapa da oficina de rádio começa hoje

Começa hoje, 27, a 2ª etapa da oficina de rádio promovida pelo LTE da Escola M. Mário Trindade Cruz. A oficina será realizada nos moldes de um intensivão, considerando que muitos alunos não podem se deslocar de suas residências nos povoados para fazer o curso no turno contrário, informou o professor articulador Diógenes Almeida. “Estamos confiantes de que o resultado desse trabalho árduo será satisfatório, uma vez que os alunos estão interessados pela proposta”, destacou o professor.

Alguns testes já estão sendo feitos a fim de descobrir novos talentos. Um dos destaques desses encontros é o aluno Miqueias dos Santos (EJA A - turno noturno), que com certeza será um excelente parceiro. “Já se prevê a possibilidade de Miqueias ser o mascote do nosso projeto de rádio”, complementou Diógenes. 

Quanto a 1ª etapa, os alunos do turno matutino já estão montando os programas que de início serão gravados e veiculados nos intervalos e também na internet, informou o professor articulador Agnaldo Silva. "Já estamos pensando em resgatar o rádionovela para retratarmos temas ligados ao nosso município", destacou o professor.

MOSTRA CURTO ENCONTRO

Estão abertas as inscrições para a Mostra Curto Encontro, que será realizada de 25 a 31 de julho, em 13 cidades baianas simultaneamente. Serão selecionados vídeos de qualquer parte do país e produzidos em qualquer ano e sobre qualquer tema/categoria que tenham de 5 a 20 minutos. Os realizadores poderão inscrever quantos vídeos quiserem, concorrendo a prêmios em dinheiro, troféu e exibição na TVE. As inscrições são gratuitas e online. A Mostra conta com o patrocínio dos Correios e o apoio da FUNCEB, DIMAS e IRDEB que promoverão, além da exibição, debates e oficinas. Mais informações e inscrições no site www.tabuleiroproducoes.com.br
Realização: Tabuleiro Produções
Inscrições: 15 de abril a 15 de maio
Mostra: de 25 a 31 de julho, em 13 cidades baianas
Informações: curtoencontro@tabuleiroproducoes.com.br (71)30185012
Agradecemos a divulgação.
 
Atenciosamente,
Carine Araújo
Diretora de Produção

Clique no banner para mais informações

terça-feira, 26 de abril de 2011

Fórum Internacional de Tecnologia Educacional

Eventos Integrados da Interdidática 2011 debatem temas sobre a nova aprendizagem para o século 21 e sobre políticas educacionais para inclusão digital

Especialistas do Brasil e do exterior irão compartilhar experiências e informações exclusivas junto a um público formado por educadores e gestores educacionais de diversos níveis, em um ambiente de muita interação e troca de experiências, durante as atividades do Fórum Internacional de Tecnologia Educacional – Nova Aprendizagem e Inovação na Educação com as TIC, cuja sessão plenária de abertura terá a presença de Roberto Carneiro (Portugal), seguida, nos seus três dias de realização, de 10 a 12 de maio de 2011, por conferências proferidas pelos professores Yves Punie (Espanha) e Katie Salen (Estados Unidos), entre outros importantes keynotes. Para a Conferência dos Municípios “Políticas Educacionais para Inclusão Digital” a palestra da professora Betina Von Staa (Brasil) é aguardada com expectativa pela comunidade da educação.

Clique com o botão direito na imagem [abrir link na nova guia]
 

terça-feira, 19 de abril de 2011

Oficina de rádio está a todo vapor

Os alunos participantes da oficina de rádio promovida pelo LTE do Mário Trindade, estão empenhados para que dessa vez o sonho de quase quatro anos seja realizado. Estão participando dessa primeira etapa,  alunos das séries iniciais e em breve os alunos dos demais turnos serão beneficiados. "Estamos trabalhando com grupos de dois alunos por turma, perfazendo um total de 28 participantes", informou o professor articulador Agnaldo Silva.

Há uma diversidade de temas destacados pelos alunos em cada programação. São programas musicais, noticiários, entrevistas, etc. "Os alunos estão  empenhados e em breve estaremos colocando as programações no ar e na internet, já que temos a Rádio Trindade on line", acrescenta o professor Agnaldo.


"Participar da oficina de rádio é muito bom porque a gente aprende tudo sobre o rádio e quem sabe a gente pode arrumar um emprego estudando sobre esse assunto", relatou Maico Douglas Costa Bonfim, aluno da turma Acelera (profª Maria da Paixão). A aluna Joana D'arc dos Santos Rodrigue da 3ª série C (profª Meire) destacou que é muito importante participar da oficina. "É bom, a gente aprende mexer nos aparelhos da rádio e ainda melhora a leitura", informou. 
Confira as imagens... 



Paixão de Cristo em Pirambu

As crianças que participam do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil - PETI em Pirambu, farão a apresentação de um esquete de teatro sobre a Paixão de Cristo nesta terça e quarta-feira. A montagem do espetáculo teve a coordenação das professoras Juraci e Larissa e contou com o total apoio da direção do PETI, do Laboratório de Tecnologia Educacional - LTE e da direção da Escola M. Mário Trindade Cruz. Diante da grandeza do tema e da riqueza do trabalho realizado, o coordenador Josivaldo Rocha Cruz fez o convite ao elenco e o espetáculo também será apresentado no Pátio do Mário Trindade. Se você tem interesse em conferir o resultado desse projeto, é só seguir o cronograma abaixo:
  • Terça-feira às 14 horas - PETI
  • Quarta-feira às 11h e às 16h e 30m - Pátio da Escola M. Mário Trindade Cruz.
Vale apena conferir!

Veja as fotos das gravações no estúdio da Rádio Trindade...




segunda-feira, 18 de abril de 2011

Monteiro Lobato: o precursor da literatura infantil no Brasil


Biografia, obras e estilo literário
 
Contista, ensaísta e tradutor, este grande nome da literatura brasileira nasceu na cidade de Taubaté, interior de São Paulo, no ano de 1882. Formado em Direito, atuou como promotor público até se tornar fazendeiro, após receber herança deixada pelo avô.

Diante de um novo estilo de vida, Lobato passou a publicar seus primeiros contos em jornais e revistas, sendo que, posteriormente, reuniu uma série deles em Urupês, obra prima deste famoso escritor.

Em uma época em que os livros brasileiros eram editados em Paris ou Lisboa, Monteiro Lobato tornou-se também editor, passando a editar livros também no Brasil. Com isso, ele implantou uma série de renovações nos livros didáticos e infantis.

Este notável escritor é bastante conhecido entre as crianças, pois se dedicou a um estilo de escrita com linguagem simples onde realidade e fantasia estão lado a lado. Pode-se dizer que ele foi o precursor da literatura infantil no Brasil. 

Suas personagens mais conhecidas são: Emília, uma boneca de pano com sentimento e idéias independentes; Pedrinho, personagem que o autor se identifica quando criança; Visconde de Sabugosa, a sabia espiga de milho que tem atitudes de adulto, Cuca, vilã que aterroriza a todos do sítio, Saci Pererê e outras personagens que fazem parte da inesquecível obra: O Sítio do Pica-Pau Amarelo, que até hoje encanta muitas crianças e adultos. 

Escreveu ainda outras incríveis obras infantis, como: A Menina do Nariz Arrebitado, O Saci, Fábulas do Marquês de Rabicó, Aventuras do Príncipe, Noivado de Narizinho, O Pó de Pirlimpimpim, Reinações de Narizinho, As Caçadas de Pedrinho, Emília no País da Gramática, Memórias da Emília, O Poço do Visconde, O Pica-Pau Amarelo e A Chave do Tamanho. 

Fora os livros infantis, este escritor brasileiro escreveu outras obras literárias, tais como: O Choque das Raças, Urupês, A Barca de Gleyre e o Escândalo do Petróleo. Neste último livro, demonstra todo seu nacionalismo, posicionando-se totalmente favorável a exploração do petróleo apenas por empresas brasileiras. 

No ano de 1948, o Brasil perdeu este grande talento que tanto contribuiu com o desenvolvimento de nossa literatura.

Fonte: http://www.suapesquisa.com/biografias/monteirolobato/

domingo, 17 de abril de 2011

Professores do Mário Trindade usam as TIC'S para qualificar o ensino

Após um longo período sem servir à comunidade escolar, o LTE está resgatando os velhos costumes e oportunizando o uso das mídias para o bem da educação dos pirambuenses. Buscando renovar suas práticas, os professores vem interagindo com o LTE e usam as mídias disponíveis como ferramenta pedagógica, o que tem gerado bons resultados ao longo do processo ensino-aprendizagem.


Profª. Patrícia Morgana




Um exemplo dessa dinâmica que envolve conteúdo programático e mídias, são as aulas da professora de Educação Física, Patrícia Morgana, que tem inovado e usado com frequência a TV de plasma para ministrar aulas sobre ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA com alunos da 8ª série A e B. "O uso desse recurso torna a aula mais atrativa e com isso melhora a aprendizagem dos alunos", destaca a professora Patrícia. "Eu gosto desse tipo de aula, pois a gente entende melhor o conteúdo e não ficamos cansados", relata o aluno André Ricardo da 8ª série B.
Confira os cliques...


Critíca de Filme. RIO. Professor, assista com seus alunos.


Com toda evolução das animações nos últimos anos, principalmente em seu lado narrativo, que parece a cada lançamento mais a vontade com a idéia de ser um filme completo e não só uma animaçãozinha (naquele sentido pejorativo que muita gente ainda prefere usar), é ainda de surpreender que Rio aposte, justamente, em uma certa infantilização pouquíssimo interessante.
Dirigido pelo brasileiro Carlos Saldanha, depois de emplacar os sucessos de A Era do Gelo (os dois últimos como diretor, o primeiro como co-diretor), agora é hora de contar a história dessa ararinha azul, Blu, que cresce domesticadamente na gelada Minnesota (depois de ser capturada no próprio Rio de Janeiro por traficantes de animais silvestres), mas acaba se descobrindo o último macho de sua espécie e, com isso, volta para a capital carioca para cruzar com uma fêmea de sua espécie, Jade. Lá, cai mais uma vez nas mãos de traficantes silvestres e é obrigado, agora com uma companhia, a fugir do cativeiro e ainda achar sua dona.
É lógico que o fraquíssimo roteiro, que é uma idéia do próprio Saldanha, porém é escrito por Don Rhymer (que também assinou a “trilogia” Vovó… Zona, o que explica bastante coisa), está ai como uma desculpa para o diretor prestar sua homenagem ao Rio de Janeiro, em toda sua beleza, seu balé de cores, sua natureza exuberante e todos os cartões postais que fossem possíveis serem mostrados, o que demonstra um trabalho tremendamente habilidoso de todo departamento de arte do filme, mas que, mesmo assim, não consegue esconder um ritmo falho e repetitivo, que não deixa o Rio empolgar.

O espectador é visualmente arrebatado com todas as cores, e até vai se divertir com a boa caracterização dos personagens (olha ai o departamento de arte novamente), não só acertando no visual dos animais, mas também apostando em toda personalidade deles, mas é impossível não se entediar com a estrutura quadrada demais e a falta de ambição. Como se estivesse contente em ser apenas uma animação infantil em 3D, onde seu personagem cai, escorrega e corre de algum vilão com cara de mal, entrecortado por alguns números musicais meio canhestros e sem graça (que parecem todas as versões tiradas daquele disco do Sérgio Mendes, Timeless, que, por coincidência ou não, foi quase todo produzido pelo mesmo Will.I.am, do Black Eye Peas e que também empresta a voz aqui, para o passarinho Pedro), e pior, não tendo vergonha nenhuma de, simplesmente, repetir tudo isso algumas vezes.

 

Por outro lado, Saldanha (por ser brasileiro) acaba se aproveitando para brincar (já que, se fosse outro cineasta a patrulha dos politicamente corretos já estaria bradando seu nome por ai), não só o jeito espalhafatoso e quente do Brasil, ainda mais durante o Carnaval, como com uma certa simpatia que transborda por toda situação, mesmo que, quando longe das confusões visuais, “Rio” acabe sendo pouco, ou nada, engraçado, mas as cores, a alegria e o samba acabam contagiando mais do que chateando.

E mesmo com esses furos, Rio acaba sendo uma boa pedida para os menorzinhos, enquanto enchem a boca de pipoca e são hipnotizados pelo 3D, já os maiorzinhos vão até achar irônica a famosa corrida da galinha em Cidade Deus ser encarnada por um outro tipo de ave, mas ao mesmo tempo, ficará completamente incomodado com a desculpa estapafúrdia para os personagens “furarem” um desfile no meio do sambódromo (que convenientemente tinha como tema um monte de aves). Um resultado pouco equilibrado, mas que deve fazer um baita sucesso, já que (como eu já falei e repeti e reiterei) são cores demais, bichos simpáticos demais, samba demais e amor demais para qualquer um se irritar no final das contas.

Rio (EUA, 2011), escrito por Carlos Saldanha e Don Rhymer, dirigido por Carlos Saldanha, no original com vozes de Jesse Eisenberg, Leslie Mann, Rodrigo Santoro, Jamie Foxx, Will. I. Am, Anne Hathaway, George Lopez, Tracy Morgan e Jemaine Clement.


http://www.cinemaqui.com.br/criticas-de-filmes/rio

quinta-feira, 14 de abril de 2011

"HOMOFOBIA EM DEBATE - EM BUSCA DE SOLUÇÕES"

DIVERSIDADE E INCLUSÃO:



"HOMOFOBIA EM DEBATE - EM BUSCA DE SOLUÇÕES"

DATA: 26 de Abril (terça-feira)
LOCAL: Auditório da Sociedade Semear (Rua Vila Cristina, nº 148, Bairro São José)


PROGRAMAÇÃO:

18:30 h - Acolhida e Visita à Exposição "Homofobia em Cartaz"
Anexo da Galeria Janner Augusto (Sociedade Semear)
19:00 h - Abertura do Evento
Professor Iran Barbosa - Secretário de Estado dos Direitos Humanos e da Cidadania
19:20 h - Homofobia e Genocídio de Homossexuais no Brasil
Professor Luiz Mott - GGB
20:00 h - Assassinatos de LGBT em Sergipe
Professor Marcelo Domingos - Pesquisador
20:20 h - Em Busca de Soluções para o Combate à Homofobia em Sergipe
Dr. Mário Leony - Delegado de Polícia
20:40 h - Sessão de Debates
21:30 h - Encerramento

Professor: divulgue suas atividades aqui no Blog.

Professor, divulgue suas experiências e suas atividades aqui no Blog do Mário Trindade. Procure um dos articuladores do LTE, traga fotos e o relato de suas atividades, lembre-se que este espaço é seu. Entre e fique a vontade!!!

LTE promove Curso Básico de Xadrez no Mário Trindade




Seguindo as políticas de incentivo às práticas pedagógicas, o LTE promoverá no período de 26 de abril a 26 de maio, Curso Básico de Xadrez para alunos do ensino fundamental.  O principal objetivo é fomentar a prática do xadrez, no ambiente escolar para corroborar com a melhoria no rendimento dos alunos principalmente nas disciplinas como matemática e português, pois estudos revelam melhoria no raciocínio lógico, na socialização, e traz inúmeros benefícios nas atitudes diante da vida dos praticantes desse esporte que é praticado com a mente.
As inscrições começam hoje dia 14 e vai até o dia 26 de abril. Haverá apenas 25 vagas, é bom correr para garantir a vaga. O curso acontecerá no LTE às terças e quintas sempre as 19:00 horas e também em dois sábados que será divulgado posteriormente.

Venham melhorar também o seu raciocínio lógico. Inscreva-se já.



LTE Realiza Workshop de Windows, Email e Linux Educacional





No próximo dia 16 de abril (sabado Letivo), acontecerá no LTE, um workshop de Windows, Linux e e-mail para professores que tenham interesse em se familiarizar com estes ambientes. O workshop tem por objetivo facilitar a utilização das ferramentas básicas do computar para professores que tem pouco contato com a informática. Com a dinâmica de apresentação e debates, os professores terão a oportunidade de criar e-mails e utilizar a agenda eletrônica on-line que servirá para futuros agendamentos para utilização das ferramentas do LTE. O início do curso está previsto para começar as 09:00 horas com término as 17:00. Se você tem interesse em participar preencha a ficha que está a disposição na sala dos professores e LTE. O workshop será mediado pelo facilitador Prof. Diógenes Almeida.

Professores do Mário Trindade concluem Curso de Fotografia Artesanal.

Os professores articuladores Agnaldo Silva e Diógenes Almeida encerraram no último dia 11/04 o curso de fotografia artesanal Pinhole, que aconteceu de 04 a 11 de abril no Sesc/Centro em Aracaju. 

Durante o curso, os professores tiveram a oportunidade de confeccionar uma máquina fotográfica artesanal  e tiveram contato com técnicas de fotografia. Segundo o professor Diógenes Almeida, tudo o que foi absorvido no curso será replicado entre os colegas para que utilizem a técnica junto com seus alunos.

O professor Agnaldo Silva é só satisfação: “Foi muito proveitoso o curso, espero que mais colegas possam participar em outras oportunidades. Conhecimento nunca é demais!”.

O professor Wolney, coordenador do curso no SESC, disse que é muito bom receber professores e espera que tudo o que foi aprendido no curso seja multiplicado na Escola.



 Professor Agnaldo com fotografia feita pela Pinhole


 Professor Wolney fala sobre a importância do Curso